• Os Antípodas

Projeto Ciclos - Diário de Bordo 7

Atualizado: Abr 7


De Salto seguimos para Termas del Dayman, um pequeno povoado que gira em torno do turismo termal, mantido por suas águas naturalmente quentes oriundas do Aquífero Guarani. Foram apenas 10km de pedaladas sob um frio ameno, a maior parte do caminho por uma ciclovia que liga a cidade de Salto a Termas.

Foto 1: Salto a Termas del Dayman.

Já estamos nos acostumando com o frio. Nossas roupas, barracas e sacos de dormir estão nos potegendo adequadamente da temperatura media de dez graus Celsius, mas que já baixou até zero grau de madrugada, o suficiente para formar uma fina camada de gelo nos telhados, que derreteu com o sol da manhã, formando uma "chuvinha" que eu não entendia de onde vinha, até que me explicaram.

Cerca de uma semana antes de chegarmos aqui em Dayman, a Marcela encontrou na internet o email das Termas de Guaviyu, um outro povoado termal aqui da região, e lhes enviou uma mensagem falando de nossa viagem e que buscavámos um lugar para passar um tempo e também para trabalharmos. Não tivemos resposta, mas depois de uns dias nos chegou um email de uma mulher nos oferecendo hospedagem perto de Guaviyu e um email de Maria Fernanda, de Termas de Dayman, dizendo que poderiamos ficar alguns dias no apart hotel que ela administra, o Blue Dayman. Que maravilha!!! Ficamos surpresos ao receber esses convites, e assim partimos para as Termas, na época do ano em que o povoado recebe o maior fluxo de turistas.

No Blue Apart Hotel, nos primeiros quatro dias aproveitamos seu conforto e descansamos; depois o hotel ficou cheio, e como queriamos ficar mais tempo ali, a Fernanda gentilmente nos cedeu um quartinho nos fundos dele, onde montamos nossa barraca, colocamos uma mesa e duas cadeiras, e fizemos dali nossa casa. O diferencial era o banho: como não tinhamos ducha quente, e a temperatura média por ali estava girando em torno de 10 graus Celsius, tomar banho gelado todo dia seria um grande esforço. A solucão veio novamente através da Fernanda, que conseguiu para nós o apoio do Parque Termal Água Clara. Assim, temos acesso gratuito ao Parque todos os dias para curtirmos suas piscinas com água de 35 a 41 graus C, e para tomarmos nosso banho.

Foto 2: Banho no Parque Termal Água Clara.

Instalados e familiarizados com a cidadezinha, começamos a pensar em como ganhar algum dinheiro, aproveitando o movimento de turistas. Pensamos em fazer brigadeiro, barrinha de sementes ou trabalhar em algum hotel ou restaurante. Enquanto decidíamos, acabamos ganhando os primeiros Pesos Uruguaios (moeda do Uruguai) limpando os vidros das janelas do Blue Apart. Aqui também passamos 15 minutos de adrenalina baixando uma cama elástica de uma altura de uns 6m, com a ajuda de uma corda amarrada num parapeito. No meio do proceso, com a cama elástica apoiada apenas num pé no andar de cima, e com os outros a deriva no espaço, a Fernanda disse: "Acho que não foi uma boa ideia"... mas já não tinha volta. No fim a cama chegou ao solo em relativa segurança, hahaha.

Foto 3: Embalagens artesanais.

Nesse interim, decidimos o que fazer para tentarmos vender: movidos pela praticidade, aliada à tentativa de gerar o menor impacto ambiental possível e oferecer produtos mais saudáveis e artesanais, optamos por fazer barrinhas de sementes (mel, amendoim, gergelim e girassol) e pralinê de coco (pedaços de coco com uma casquinha de açúcar por fora) para vendermos. Para embalar, fabricamos sacos de papel, como os sacos de pão, para fugirmos das embalagens plásticas que tem uma pegada ecológica maior que as de papel. Além disso, como não poderia deixar de ser, todo o nosso deslocamento, para comprar a matéria prima e para vender os docinhos, foi feito em bicicleta e a pé. Assim começou nosso negócio experimental :D.

Foto 4: Barrinhas de sementes, feitas com mel, amendoim, gergelim e sementes de girassol.

Doces prontos e embalados, era hora de controlarmos a timidez e sairmos oferecendo-os. Como não tínhamos um ponto de venda fixo, nós íamos até os "clientes". Nossa abordagem básica era contar a nossa história, dizendo que estávamos viajando de bicicleta desde o Brasil, e que a venda dos produtos nos ajudaria a continuar a viagem; depois dessa introdução, oferecíamos para que provassem, e se gostassem, poderiam comprar. Essa "estratégia de venda" e bem específica e demorada, mas surtiu efeito. Cerca de uma em cada quatro pessoas abordadas compravam pelo menos um. Houve um cara que comprou quatro saquinhos de uma vez, nos doou mais 100 Pesos, e depois de uma hora, quando nos cruzamos novamente, comprou mais quatro. Depois fiquei com a dúvida: ele gostou tanto assim ou só queria ajudar?

Foto 5: Vencendo a timidez.

A Marcela, além do nosso negócio experimental, acabou aproveitando uma outra oportunidade: arrumar quartos no Apart Hotel e limpar casas que eram alugadas por turistas (eu inclusive fui ajudà-la numa das limpezas). Assim, ela sempre tinha algum trabalho, e eu fiquei responsável pelas vendas dos nossos doces. A grana que ganhamos está sendo suficiente para nos mantermos aqui na cidade, sem pagarmos hospedagem, mas não tivemos um lucro ainda.

Foto 6: Blue Apart e sua mais nova mucama.

Numa das vezes em que eu estava vendendo, dentro de um dos parques termais de Dayman, a Marcela ficou esperando do lado de fora tomando fotos quando viu um motoqueiro estacionando sua moto que carregava alforjes e uma bandeirinha amarela, vermelha e azul. Sem esperar que ele desmontasse, foi falar com ele, e assim conhecemos Juan Fran, que está há 8 meses viajando de moto, desde o Equador, e que ainda passará pelo Paraguai, Brasil, Venezuela e Colômbia antes de retonar a seu país. Nesse dia acabamos levando ele conosco no Parque Termal Água Clara, onde ficamos horas trocando experiências e escutando suas histórias. No final nos despedimos e ele prometeu nos passar um contato para dormirmos em Paysandú, próxima cidade que visitaremos no Uruguai, e nós lhe facilitaremos alguns contatos no Brasil.

Foto 7: seguir viagem...

E assim seguimos, viajando, conhecendo e compartilhando... Nossos planos são ficarmos aqui até o dia 15 de julho, e continuarmos indo rumo ao sul, onde pretendemos fazer outra pausa na cidade histórica de Colônia del Sacramento, ainda no Uruguai.

-- Informações da viagem

Foto 8: Percurso da viagem.

Dia 93 ao 109 - 24/06/2015 a 10/07/2015

De: Salto, Uruguai

Para: Termas de Dayman, Uruguai

Gastos até agora: R$3547,00

Gastos por dia: R$32,54

Distância pedalada até agora: 1357km

Distância percorrida por outros transportes até agora: 1289km

Furos de pneu até agora: 5

#Uruguai #OsAntípodas #ProjetoCiclos #cicloturismo #diáriodebordo

0 visualização

2015 - 2020 por Os Antipodas. Copyleft