• Os Antípodas

Pedal na estrada, de Bom Jardim-RJ a Belo Horizonte-MG

Atualizado: 7 de Abr de 2020


Finalmente chegou o grande dia. O domingo amanheceu dorminhoco, assim como o Alan, que resiste em levantar. São 5:30 da manhã e somos acordados com o despertar do alarme. É hora de pular da cama e cair na estrada.

Planejamos durante algumas semanas esta que será a mais longa de nossas viagens (até o momento). Vamos para Belo Horizonte-MG, saindo de Bom Jardim-RJ, a cerca de 450 km de distância . A topografia é ainda relativamente desconhecida; não sabemos se teremos muitas subidas, se a estrada é boa, se há um tráfego intenso; mas nada nos impede de seguir nosso caminho, diante da ernome vontade de pedalar e descobrir novos povoados, ver a beleza da natureza e sentir um pouco de “drama”, essencial para nossa existência.

Trajeto de Bom Jardim a Belo Horizonte, com as cidades que citamos no texto em negrito. Só faltou Rio Pomba.

Serão 7 noites e 8 dias de viagem a princípio, e fazer a mala para tal empreitada já é nosso primeiro desafio. Temos que levar somente o essencial no bagageiro de nossas bikes. Decidimos levar somente duas mudas de roupa, uma para pedalar e uma para usar após a pedalada, além de uma blusa de frio e da capa de chuva. Cuecas e calcinhas também serão duas, ou seja, lavaremos e trocaremos diariamente. Levamos também um fogareiro feito com latinha de cerveja, que nos possibilitará cozinhar e, portanto, nos tornar mais independentes e economizar com a comida.

Em nossa mala há espaço para as comidinhas. Nossa alimentação será à base de frutas, bananadas ou goiabadas (cheia de energia = açúcar), frutas secas, sopa de ervilha e tapioca. Os dois últimos itens são nosso jantar, preparado no local onde iremos passar a noite. A tapioca fazemos com polvilho doce ou azedo, misturado com água até dar o ponto da massa, formando umas bolotinhas, e depois mandamos pra panela; é uma autêntica comida brasileira, vinda de nossos irmãos indígenas. Outro item essencial é a água; a verificação do nivel de água em nossa bolsa é uma constante durante a viagem (levamos de 1,5 a 2L de água por dia para tomarmos, que podem ser reforçados por sucos ou caldo de cana, se encontrarmos pelo caminho).

Malas prontas, bicicleta montada; é hora de colocar o pedal na estrada, e aproveitar cada segundo desta viagem. Todas as manhãs antes de tomar o desjejum realizamos uma prática de yoga, chamada Saudação ao Sol. É uma forma de aquecer nosso corpo para o dia de grande esforço fisico e principalmente aquecer nosso espírito, que se enche de energia do universo.

Pedal na estrada

Planejamos pedalar até cidades que se distanciam entre 40 a 60 km umas das outras, e realizaremos algumas paradinhas a cada 20 km para nos alimentar e descansar o corpo. Durante o planejamento da viagem, pesquisamos lugares para pernoitar, assim deixamos a barraca para traz, afim de diminuir o peso com bagagem. Enviamos muitos e-mais às pousadas/hotéis , mas não recebemos respostas, então fomos com coragem, e a busca por um quarto ocorreria quando chegássemos na cidade.

A primeira cidade para nosso decanso seria Carmo, uma cidadezinha do estado do Rio de Janeiro, mas como estamos com a corda toda resolvemos dar uma esticadinha e assim nossa primeira noite passamos já no estado de Minas Gerais, na cidade de Além Paraíba.

Além Paraíba fica na divisa de RJ e MG. Cidade grande para os padrões da região, com tráfego intenso de caminhões e carros na estrada. Saímos pela manhã depois de tomar um delicioso café da manhã. Próximo destino será Leopoldina. Enfrentamos muita subida saindo de Além Paraíba, o que levou a um desgaste físico intenso; pedalamos muito. Parando em um restaurante de beira de estrada, que estava muito movimentado, perguntamos quando ainda faltava para chegar à Leolpodina e veio a grande surpresa: 5 km depois de uma longa descida. Ô coisa boa sô! E como recompensa recebemos de brinde um lindo pneu furado. O único da viagem. Valeu a experiência! Chegamos cansados e famintos. O corpo irá aproveitar cada minutinho de descanso.

Troca de pneu.

Leopodina nos pareceu uma cidade do porte de Além Paraíba; suas ruas de pedrinhas e tráfego intenso nos deixaram um tanto perdidos. Pergunta aqui, pergunta ali, até que encontramos um lugarzinho muito barato e interessante para passar a noite.O hotel ficava no fundo de uma loja.

Terceiro dia de pedalada, saímos de Leopodina por volta das 8 da manhã, após receber uma lubrificação gratuita de nossas correntes em uma bicicletaria que estava ao lado do hotel, a Terré Bikes. O dono da bicicletaria, Terré, ficou surpreso ao ouvir que não tínhamos uma equipe de apoio nos seguindo com um carro, e que nossa viagem é pura diversão e prazer, financiada por nós mesmos.

Uma das belas paisagens que vimos durante o caminho

Seguimos rumo a BH, agora um tanto anciosos quanto a uma serra que existe antes de se chegar a Barbacena (a alcançaríamos em dois ou três dias), mas vamos falar disso mais tarde. Indo no sentido da cidade de Cataguases, é só seguir em frente, nosso próximo ponto de descanso será Rio Pomba. Chegamos com o finalzinho do jogo entre Brasil x México. A cidade estava parada, pois além do jogo da seleção, era feriado municipal, todos os estabelecimentos estavam fechados. Entramos em um quiosque de lanche aberto e lá foi o Alan perguntar. Nos indicaram um hotel para ficar. Foi maravilhoso, ambiente familiar, roupa de cama cheirosinha, um delicioso café da manhã e ainda se encontra próximo à saída da cidade. Nesta viagem recebemos muito carinho dos lugares onde ficamos; felizes com tanta hospitalidade \o/.

Hidratando; suco de laranja natural.

Levantamos com um friozinho e seguimos viagem, nosso quarto dia na estrada, agasalhados e animados para chegar ao próximo destino, Santa Bárbara do Tugúrio, situada no pé da serra. O dia passou tranquilo, a pedalada fluiu bem, e quando notamos, 45km já haviam sido percorridos; chegamos à cidade na hora do almoço. Facilmente encontramos um hotel, numa cidade pequena e acolhedora. Adoramos Sta Barbara. Resolvemos não cozinhar e aproveitamos para comer uma comidinha mineira para ganhar mais energia, se é que precisávamos.

Comemos bem, e muito. Ufa! Arroz , feijão, angu, 2 ovos, salada e sobremesa para completar. Barriga cheia, corpo cansado, agora á aproveitar o dia na cidade. Passeamos e dormimos bastante. No dia seguinte, com a energia renovada, após um café da mahã dos Deuses onde ganhamos suco de laranja e várias mexericas para levar, partimos com uma linda lembrança da cidade que melhor nos acolheu. Helena, a dona do Hotel nos levou até a porta. Quanta simpatia!

Seguimos rumo à cidade de Ressaquinha. Agora é subir a serra e aproveitar. Saímos com bastante energia, para enfrentar a longa subida, que nem foi tão puxada assim. Levamos 2 horas para percorrer 11 km, realizando algumas paradinhas para beber água e nos alimentar. No final da serra fomos presenteados com uma linda vista dos morros de Minas Gerais.

Depois da subida da serra de Santa Bárbara do Tugúrio (parte da Serra da Mantiqueira).

Chegamos à famosa BR 040, trânsito pesado, muitos ônibus e carretas, mas a existência de um largo acostamento nos deixa tranquilos para seguir viagem. Passamos por Barbacena e seguimos até Ressaquinha. Perdemos o acostamento, e para nossa segurança resolvemos pedir carona, que não tardou em aparecer.

Lucas, um jovem de 20 e poucos anos, dirigindo uma carreta cegonha de 27,5 metros de comprimento, nos surpreendeu com um belo e generoso gesto: nos levou até Conselheiro Lafaite com segurança e tranquilidade. Podíamos ter seguido até Betim, já na divisa com Belo Horizonte, mas queríamos passar por Conselheiro. Então, muito felizes e agradecidos, descemos da cegonha rumo ao nosso penúltimo destino.

Carona na hora certa, no lugar certo. Valeu Lucas!

Sim, nosso penúltimo destino, pois o trânsito que liga Belo Horizonte a Lafaiete é um dos mais perigosos. Muitas carretas, caminhões, ônibus, carros e uma pista sem acostamento. Região de inúmeras mineradoras e principal ligação entre diversas cidades-pólo. Já estava nos planos pegar um ônibus para Belo Horizonte neste ponto.

A cidade nos assustou com seu tamanho, seus vários morros e seu trânsito carregado. Cidade grande, pessoas correndo, em pleno feriado de Corpus Christi. Encontrar um hotel barato não foi fácil, tudo muito caro. Arrependimento por não ter continuado com o Lucas (da carreta)? De maneira nenhuma, tudo é aprendizado e faria parte da nossa história passar por uns stresses . Não desistimos, e como que num milagre de feriado, encontramos no hotel que leva o nome da cidade, o preço mais interessante e supreendentemente o maior quarto de todos.

Que beleza!!!! Brindamos com uma caipirinha esperta e com um banho de chuva, comemorando o final de 5 dias de pedaladas consecutivas. Foram aproximadamente 300Km de bike e 60Km de carona.

Pecorridos os 90 km restantes dentro de um ônibus, com nossas bikes no bagageiro (e sem precisar desmontar), chegamos à Belo Horizonte.

Bem vindo a Belo Horizonte.

A viagem foi um sucesso. Aprendemos que temos força para realizar qualquer viagem, que encontraremos pessoas boas e atenciosas pelo caminho; que a beleza da natureza , dos cantos dos passarinhos, dos gritos de apoio, das buzinadas amigáveis dos carros, são os maiores motividadores para vencer preconceitos sobre o cicloturismo (viajar em bicicleta). O drama de vencer cada morro que se apresenta é o que nos dá ganas de continuar, e um prazer enorme em olhar para trás e ver que conseguimos.

Afinal, a alegria não está no destino e sim no caminho percorrido (frase do filme “Poder Além da Vida”). A alegria de vencer cada quilômetro, de descobrir novas paisagens, de conhecer um senhor que vende uma jarra de 1 litro de garrapa a 4 reais; de ver os sorrisos das pessoas com quem cruzamos na estrada, de receber a benção de proteção de pessoas desconhecidas. Tudo isso não tem preço nem descricão, é simplesmente a alegria de poder caminhar...

Figura 9: a alegria de poder caminhar...

Distâncias aproximadas percorridas:

Bom jardim a Além Paraíba: 75Km

Além Paraíba a Leopoldina: 50Km

Leopoldina a Rio Pomba: 74Km

Rio Pomba a Santa Bárbara do Tugúrio: 45Km

Santa Bárbara a Ressaquinha: 47Km

Ressaquinha a Conselheiro Lafaiete (carona): 60Km

Conselheiro Lafaiete a Belo Horizonte (ônibus): 90Km

Hotéis e pousadas onde ficamos:

Além Paraíba - Hotel da Santinha. Rua Coronel Oscar Cortes, 160, Porto Novo. (32)3462-3122.

Leopoldina - Hotel Avenida. Avenida Getúlio Vargas, Centro.

Rio Pomba: América Hotel. Rua Doutor José Reis dos Santos, nº 12, Jardim América. (32) 3571-2334.

Santa Barbara do Tugúrio - Hotel Siqueira Paiva. Praça José Batista Machado, nº 5, centro. (32) 3365-1118.

Conselheiro Lafaiete - Hotel Lafaiete. Rua Barão de Coromandel, nº 81, centro. (31) 3763-8331.

#cicloturismo #Brasil #OsAntípodas

48 visualizações0 comentário