• Os Antípodas

A vida

Atualizado: Abr 7


Simplicidade?

"A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei... Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar" - cineasta argentino Fernando Birri.

Possuir um diploma de curso superior, de preferência numa universidade pública; ter um emprego com boa remuneração, um carrão, e trocá-lo todo ano. Comprar uma casa, casar, ter filhos, e poder ter uma casa de praia para relaxar no final de semana, igual vemos em filmes, novelas, propagandas e até na vida real. Ô beleza hein!!! Só alegria!! Diz aí se você não gostaria de “vencer” na vida também!?

Mas, porém, todavia, entretanto (como dizia uma professora de português que tive), a publicidade e o marketing não nos informam que apenas 4% dos jovens entre 18 e 24 anos tem a chance de entrar numa universidade pública, que o emprego pode ser uma competição ainda mais voraz que o vestibular, que o carrão não anda nos engarrafamentos e que é um péssimo investimento do ponto de vista econômico, desvalorizando-se 10% no momento que você o tira da concessionária. A manutenção da casa de praia é paga a duras penas, com horas extras no emprego, que te garantirão alguns probleminhas de saúde, uma úlcera, gastrite, talvez uma obesidade por descontar sua ansiedade nos alimentos (afinal de contas, é preciso bater as metas, ou...), ou até uma depressão resultante da vida vazia que levas.

"Pobre não é o que tem pouco, mas o que quer infinitamente muito, e deseja, e deseja, e deseja mais e mais" - Antigos pensadores

Mas isso tudo está “ótimo”, pois você estará comprando.. e consumindo.. e movimentando a economia (e não sobra muito tempo para pensar), seja pagando a parcela do seu cartão de crédito, seja comprando uma cartela de Diazepam; o importante, como disse o ex-presidente estadunidense George W. Bush, é não parar de comprar (sim, é verdade, ele disse isso logo após 11 de setembro de 2001). Pessoas que se encaixam nesse perfil sofrem de uma condição chamada por José Hermógenes (autor de vários livros sobre yoga) de normose.

O documentário “Obsolescência Planejada” nos mostra que há três motores que, juntos, impulsionam o consumo: crédito, publicidade e obsolescência planejada. Crédito é a disponibilidade de dinheiro ao consumidor, através de empréstimos, financiamentos ou outras “facilidades” que cobrarão seus juros posteriormente. Publicidade é a criatividade e o engenho de pessoas brilhantes utilizadas para convencer outras pessoas de que elas necessitam de algum novo produto supérfluo. A obsolescência planejada é a cereja do bolo, assegurando que o produto adquirido irá perder sua função, ou seja, se tornará obsoleto, porque quebrou ou porque foi lançado um mais novo e ele saiu da moda, num tempo previamente planejado.

"Não há beleza na mais bela roupa acabada, se isso causa fome e tristeza" - Mohandas Gandhi

Tá achando que é teoria da conspiração né?

Não, não é... Aliás, seria ótimo se fosse. É algo racional e correto para o sistema econômico que rege o mundo, o capitalismo neoliberal (segundo Ross Jackson no seu livro Occupy World Street)... Nós, os consumidores, devemos comprar para o consumo aumentar INFINITAMENTE, para a economia crescer INFINITAMENTE, num mundo FINITO.

Parece contraditório, não é?

E é contraditório... Nos jornais, quando é noticiado que o PIB cresce, digamos, menos de três por cento num ano, a notícia é num tom grave, preocupado. Não importa se há ou não há distribuição de renda, não importa o número de pessoas que vivem com menos de um dólar por dia no país (no Brasil são 11 milhões de pessoas), não importa a porcentagem de esgoto tratado em todo o país (apenas 30%), o que importa é o crescimento da economia.

“Mas por que a economia tem que crescer? Se a taxa de crescimento econômico aumenta de 5 a 10%, se duplicará a felicidade? Que há de mal em uma taxa de crescimento de 0%? Não seria isso um tipo de economia estável? Pode haver algo melhor do que viver com simplicidade e tranqüilidade?” - Masanobu Fukuoka, agricultor natural japonês.

"No venimos a la vida para desarrollarnos en terminos generales. Venimos a la vida intentando ser felices." (Não viemos a esta vida para nos desenvolvermos em termos gerais, viemos a esta vida tentando ser felizes) - Mujica, presidente do Uruguai, em famoso discurso durante a Rio+20, disponível no YouTube.

Para que estamos aqui?

...

Qual o objetivo de nossas vidas?

...

O que é a felicidade?

...

Qual a prioridade de nossas vidas? Qual a prioridade de SUA vida?

"O mais rico é aquele que tem menos necessidades" – Allan Kardec, O Livro dos Espíritos - Livro IV, cap. I

Nesta nossa vida, cooperar entre nós, irmãos, não seria mais fácil? Pois, segundo Alexander Supertramp, "happinness is only real when shared" (a felicidade só é real quando compartilhada).

Não tenho casa, carro, nem casa de praia. Nos últimos meses me desfiz de cerca de metade de minhas roupas... estou em busca de uma vida mais simples, essa é minha utopia.

Referências:

http://g1.globo.com/politica/noticia/2011/05/brasil-tem-1627-milhoes-de-pessoas-em-situacao-de-extrema-pobreza.html

Livro “O livro dos espíritos” – Allan Kardec

Livro “Minha vida e minhas experiências com a verdade” – Mohandas K. Gandhi

Livro “Autoperfeição com Hatha Yoga” – José Hermógenes

Livro “Occuppy World Street” – Ross Jackson

Livro “La revolución de una brizna de paja” – Masanobu Fukuoka

Publicação “Pesquisa Nacional de Saneamento Básico (PNSB) 2008” - IBGE.

Documentário “Obsolescência Planejada” (http://www.youtube.com/watch?v=q97DdVViqLg), disponível no YouTube.

Filme “Into the wild” (Na natureza selvagem)

#vida #simplicidade #OsAntípodas

11 visualizações

2015 - 2020 por Os Antipodas. Copyleft